Top

Entrevista Obmepeira com a olímpica Beatriz Cunha #05

Já estamos em nossa 5ª entrevista e hoje temos mais uma convidada especial como sempre! A história de hoje é de Beatriz Cunha, medalhista em informática e atual presidente do Núcleo Olímpico de Incentivo ao Conhecimento (NOIC), confira!

Antes de começarmos com as perguntas conte um pouco de sua história

Eu cresci em Natal e morei lá até 2015. Na minha cidade não tinha muita cultura de olimpíadas científicas, mas a escola aplicava matemática, informática e astronomia. Eu fazia tudo, e comecei a gostar bastante dos probleminhas de lógica da OBI iniciação, daí comecei a fazer ela com mais seriedade. Fui para a semana olímpica de informática no sétimo ano, e lá aprendi a programar e adorei a matéria (você devia tentar. Nada melhor que a sensação de imprimir Hello World e descobrir que você pode mandar no computador). Daí fui fazendo a modalidade de programação, conseguindo uns resultados legais, até que um colégio de Fortaleza me chamou e me mudei para estudar. Aqui tenho aulas de olimpíadas e várias pessoas que também participam e se ajudam. Isso me incentivou a tentar olimpíadas internacionais, e ano passado me classifiquei para a Iberoamericana de informática. Também foi aqui que eu conheci o pessoal do NOIC, e comecei a contribuir para o site para ajudar pessoas que, como eu, entraram no mundo de olimpíada sem aulas, professores e colegas para ajudar.

E como foi seu primeiro contato com as olimpíadas?

Nessa escola que eu estudava em Natal, um professor de matemática do ensino fundamental incentivava a participação em olimpíadas. No sexto ano não dei tanta bola, mas um amigo meu conseguiu várias viagens de semanas olímpicas. Eu já gostava de “desafios” de matemática e raciocínio lógico e, vendo que aquilo podia trazer viagens e aulas muito diferentes da escola por parecerem mais desafiadoras e específicas, comecei a participar. O professor passava listas com questões de olimpíadas anteriores quando as provas estavam próximas. Também indicou o livro Jogos de Lógica para a OBI, que explica todos os tipos de questões cobradas na Iniciação.

Quais prêmios já ganhou e quão importantes foram para você?

O prêmio mais importante até agora foi a medalha de prata na OBI do ano passado. Ela me levou para a seletiva, um objetivo que eu defini desde que eu cheguei em Fortaleza, e permitiu a classificação para a Olimpíada Iberoamerica de Iniformática. Fiquei muito orgulhosa. Outras premiações:
Ouro na Iniciação da OBI 2013
Ouro na Programação Júnior da OBI 2015
Bronze na Programação 1 da OBI 2016
Prata na Programação 2 da OBI 2017
Bornze na Programação 2 da OBI 2018
Bronze na Olimpíada Iberoamericana de Informática 2018

Como você estuda/estudava para essas competições?

Acho que dá para separar essa pergunta entre antes e depois de eu me mudar para Fortaleza. Em Natal, eu comecei estudando com essas listas e livros indicados pelo meu professor. Quando comecei a focar na programação, procurava materiais online, como vídeos no youtube ou cursos online. Esses materiais não tinham muito a ver com o que era cobrado na olimpíada, e eram direcionados para quem estuda programação na faculdade. Passei a usar, então, provas anteriores e cursos específicos para olimpíada como o curso NOIC. Isso me ajudou a ter uma boa preparação e conseguir o primeiro lugar na Programação Júnior em 2015, o resultado que me trouxe a bolsa de estudos para estudar em Fortaleza. Aqui meus professores faziam listas de problemas baseadas nos conteúdos que estava estudando. O NOIC disponibiliza guias de estudo com várias fontes de conteúdo e problemas, que estão passando por uma renovação e recomendo muito. É muito importante para qualquer olimpíada que você pratique bastante, então problemas, muitos problemas!

O que os olímpicos podem encontrar no Projeto NOIC o qual você é presidente?

O NOIC tem como objetivo preparar e informar alunos para olimpíadas de forma autônoma, ou seja, sem precisar de professores ou aulas específicas. Contamos com uma equipe de olímpicos bem sucedidos em suas áreas para a produção de conteúdo. Não somos vinculados a nenhuma instituição e é tudo gratuito!
Além dos guias que comentei na resposta anterior, temos a mais nova seção de Ideias de robótica, física, matemática, astronomia e em breve informática, onde você pode encontrar dicas de formas criativas de resolver problemas, ou teoremas e “bizus” n esse tom bem olímpico. Temos ainda questões e soluções lançadas semanalmente em “Problemas da Semana”, cursos de informática, física, química e matemática, listas de exercício e comentários de prova. Acesse o NOIC clicando aqui.

Qual dica você daria para quem vai se preparar para as próximas olimpíadas?

Acho que a principal dica é que olimpíada exige prática. Como disse, problemas e mais problemas! Além disso, acho que manter a cabeça fria é importante. Lembre que ninguém é obrigado a fazer olimpíada, então só de participar e se estudar você já é diferenciado! E, acima de tudo, reconheça a importância de se dedicar, por que é muito legal olhar para trás e ver tudo que você ganhou e aprendeu com essas provas.

Como as olimpíadas transformaram sua vida?

As olimpíadas foram a porta para eu me tornar mais ambiciosa e mais dedicada. Com elas, eu descobri a possibilidade de viajar para outros países para competições internacionais, conhecer e admirar pessoas incríveis, e até conseguir vagas em universidades americanas. Ver tudo isso me incentivou a querer mais, a estudar bastante, a me mudar de cidade. As olimpíadas me ensinaram que é possível estudar algo por meses sem perder a paixão, e que esse tipo de esforço vale à pena.

Para finalizar, quer acrescentar algo que não foi dito?

Queria acrescentar um comentário sobre a participação das meninas em olimpíadas. Se você é uma menina olímpica e olha envolta numa sala de olimpíada ou um salão de premiação e vê poucas pessoas iguais a você, saiba que elas existem, só estão mais espalhadas. Pode ter certeza que você não precisa provar nada, e que isso não define sua capacidade. E, se você sente falta de modelos femininos, dá uma olhada na página Meninas Olímpicas no Facebook.
A todos: em olimpíadas, apenas seu esforço fala algo sobre você. E isso é muito bom, por que o seu esforço você que controla! Então, abre aí o NOIC e o Obmepeiros e bons estudos!
Se ficou alguma dúvida e quiser me contactar, pode mandar mensagem para a página do NOIC no Facebook. =D

 

Fundador e Diretor Geral

Natural de Maracaí no interior paulista, tem 18 anos e está em processo de preparação para o Vestibular do ITA, Instituto Tecnológico de Aeronáutica. Criou a Obmepeiros em novembro de 2015 e coordenou a Olimpíada Brasileira Virtual de Matemática até 2018.

[fbcomments]